semana lixo zero

passei uns dias em florianópolis (<3) e enquanto estava lá fiquei sabendo, totalmente por acaso, que estava acontecendo a semana lixo zero, com eventos em algumas cidades brasileiras, incluindo floripa. soube depois de uns dias e acabei perdendo algumas atividades interessantes, mas vi que no dia seguinte (27/10) aconteceria o V fórum internacional varejo lixo zero.

era um evento promovido pela associação catarinense de supermercados (acats), o que poderia causar alguma desconfiança, mas:

1 – era aberto ao público;

2 – era gratuito;

3 – chovia sem parar em floripa;

e 4  – o tema me interessava bastante.

então, arrastei minha mãe (<3) comigo e passamos a terça-feira num auditório no centro da cidade. e, olha, foi melhor do que a gente esperava!

foram nove palestras muito boas, feitas por brasileiros, suecos e norte-americanos. vou falar um pouco sobre cada uma, mas achei melhor dividir em quatro posts pra não ficar um texto gigante e cansativo. então, hoje conto um pouco sobre as duas primeiras:

 

1) pal martensson, suécia, zero waste europe

pal martensson

pal martensson, do zero waste europe (foto do instagram dele)

simpático, pal falou sobre a necessidade urgente de se reduzir a quantidade de resíduos descartados no mundo. segundo ele,

“waste is not waste. it’s resources, products and possibilities.”* – pal martensson

*”desperdício não é desperdício. são recursos, produtos e possibilidades”.

pal mostrou fotos de uma praia maravilhosa que ele havia visitado recentemente em bali. de um lado, aquela paisagem linda mas, de outro, pilhas de lixo, principalmente plástico. o nome do lugar? dreamland beach.

mas ele também destacou algumas iniciativas para reduzir a queima e o envio de lixo para aterros, como nas filipinas, onde foi criada uma lei (clean air act) que baniu a incineração de resíduos sólidos em 1999 e, em 2000, uma outra lei (ecological solid waste management act) instituiu um programa de gerenciamento ecológico de resíduos sólidos com a criação de MRFs (materials recovery facilities). os MRFs são locais que recebem, separam, processam e armazenam materiais recicláveis e compostáveis de maneira ambientalmente adequada.

outra questão bem interessante que pal abordou, ainda que rapidamente, foi o papel do design de produtos, que deve considerar materiais e processos utilizados de forma a gerar a menor quantidade possível de lixo durante todo o ciclo de vida dos objetos. outra frase muito significativa em sua palestra, e que deveria ser repetida exaustivamente aos alunos dos cursos de design, foi a seguinte:

 

“if a product can’t be reused, repaired, rebuilt, refurbished, refinished, resold, recycled or composted, then it should be restricted, redesigned, or removed from production.” *- pal martensson

*”se um produto não pode ser reutilizado, reparado, reconstruído, remodelado, reacabado, revendido, reciclado ou compostado, então ele deveria ser restringido, reprojetado ou removido da produção”.

pal ainda lembrou que o grande culpado pelo excesso de lixo produzido pela humanidade é o alto nível de consumo e que a publicidade tem uma grande responsabilidade sobre isso, pois o tempo inteiro fala pra gente comprar mais, associando os objetos à construção das nossas identidades. para o sueco, o “i shop therefore i am” (compro, logo, existo) deve ser substituído pelo “i sort therefore i am” (separo, logo, existo). em tempos de aplicativos pra tudo que a gente imagina, pal brincou que nenhum deles faz a reciclagem pra gente e que, portanto, se queremos um planeta lixo zero, temos que usar nossos próprios cérebros e mãos.

 

2) andré vilhena, brasil, cempre

 

ciclo da coleta seletiva municipal - cempre

fonte: cempre (clica pra ver grande!)

o cempre (compromisso empresarial para a reciclagem), que eu não conhecia, é uma instituição sem fins lucrativos, com sede em são paulo, que foi fundada em 1992 (na época da rio 92) e tem como objetivo promover a reciclagem. apesar de ter entre seus associados um monte de empresas nem um pouco sustentáveis (como coca-cola, mcdonalds, nestlé, unilever etc.), me pareceu uma iniciativa bastante comprometida com a disseminação de informações relacionadas ao gerenciamento de resíduos sólidos.

andré falou sobre a importância da lei 12.305, que institui a PNRS – política nacional de resíduos sólidos. ela ficou parada no congresso por 20 (vin-te!) anos e só em 2010, durante o segundo governo do lula, foi sancionada. é essa lei que determina a responsabilidade conjunta de fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes sobre os resíduos de produtos fabricados/comercializados; é ela que fala sobre o papel fundamental dos catadores e suas cooperativas no processo de reciclagem; foi ela que determinou a proibição dos lixões no brasil; é ela que prevê que os municípios desenvolvam planos de gestão de resíduos sólidos (PGRS). dá pra perceber porque nossos políticos enrolaram tanto tempo para aprová-la, né?

segundo andré, existem mais recursos disponibilizados pelo governo federal do que projetos consistentes desenvolvidos pelos municípios brasileiros. é vergonhoso: muitos planos apresentados são ctrl+c / ctrl+v de outros planos e os responsáveis muitas vezes não se dão ao trabalho de trocar os nomes das cidades.

andré também falou sobre a urgência em se reduzir o volume de resíduos enviados para os aterros e na importância que cada cidadão tem nessa cadeia. de acordo com ele, os governos municipais podem, por exemplo, prever em seus planos a definição de multas para quem não separar adequadamente seus resíduos domésticos. na minha opinião,  considerando que muita gente só presta atenção nas coisas quando dói o bolso, seria uma ótima medida. mas já pensou na chiadeira que seria? duvido que prefeitos e vereadores tenham coragem de implementar esse tipo de cobrança.

 

* no post de amanhã: as apresentações de gilberto nascimento, luciana nascimento e edison miranda sobre iniciativas bem legais que já acontecem no brasil :)